Google Translator - choose your language

16 de fevereiro de 2009

Alberto Augusto

Alberto Augusto, nascido em fevereiro de 1921, na cidade de Campo Largo, foi o fundador da Cerâmica Rio Branco. Seu avô era comerciante, e seu pai trabalhou como lavrador e foi empregado das fábricas de produtos cerâmicos Steatita e Brasileira.

Alberto Augusto e seu irmão Albino Augusto fundaram em 1953 a Cerâmica Rio Branco, fruto de uma experiência anterior de 18 anos de trabalho também no setor cerâmico. Alberto iniciou sua prática na cerâmica quando tinha 14 anos, em 1935, como funcionário da fábrica de louça de Darcy Portela. Posteriormente, trabalhou em outra empresa do mesmo setor, a Cerâmica Brasileira, durante um ano, voltando à Darcy Portela logo após. Esta experiência anterior o levou a montar em 1940, sua própria fábrica de telhas, tijolos e de louça “preta”, considerada por Augusto a louça com vidrado na cor preta. Esta fábrica, situada em Campo Largo, se chamava Fábrica São João, e nela a produção era obtida a partir de terracota. Até hoje existem exemplares das telhas produzidas, em poder do Sr. Balduíno Vidal.

Em 1942, Alberto Augusto foi convocado para participar como pracinha junto ao Exército Brasileiro na Segunda Guerra Mundial. Em virtude de sua ida para a Itália, vendeu a sua parte da Fábrica São João para o sócio, Sr. Leonardo Gavalak2. Depois de passar um ano na Guerra, Alberto Augusto retorna em 1945 à Campo Largo e volta a atuar no setor cerâmico, passando a exercer o cargo no setor de produção na então Cerâmica Aurora.

Nesse período ele também construiu uma pequena olaria, na mesma quadra onde é hoje a Cerâmica Rio Branco. Pouco tempo depois, a vendeu para seu vizinho, Victorio Fallarz. Alberto Augusto casou-se, em 1946, com Olímpia Perbecen, que é apontada por ele como uma pessoa que muito o apoiou no início da montagem da Cerâmica Rio Branco, em 1953. Para isso, foi necessária a participação de mais três sócios no investimento. Estes eram capitalistas, que apoiaram a construção, enquanto que
o senhor Augusto exercia a função de diretor geral. A fábrica foi construída em dois
anos, sendo concluída em 1955.

O primeiro forno foi construído em “serão”, no período da noite, em que Alberto não estava trabalhando na Cerâmica Aurora, onde na época era empregado. O segundo forno, utilizado para a queima do esmalte, foi construído através de “empreitada”, em 1956. Cerca de 20 anos mais tarde, esses mesmos fornos foram reconstruídos para ampliação da capacidade.

À medida que a fábrica funcionava e a louça era vendida, os investimentos começaram a dar o retorno esperado, o Sr. Alberto Augusto adquiriu para a fábrica as parcelas de seus sócios.

Segundo Alberto(2005), os períodos mais difíceis enfrentados pela fábrica foram no começo de seu funcionamento e durante crise que levou ao fechamento da fábrica, crise esta que foi causada pela entrada de produtos importados da China no mercado nacional e o crescimento do consumo de louça em vidro.

Já para Balduíno Vidal, o período mais difícil para a fábrica foi de 1980 a 1986, devido às mudanças políticas e a criação de novos impostos.

fonte: O DESIGN ANTES DO DESIGN: A CERÂMICA RIO BRANCO
Suelen C. Caviquiolo & Virgínia S. C. B, Kistmann
Programa de Pós-Graduação em Design - UFPR

Um comentário:

  1. Parabéns pelo trabalho, a coleção é fantastica.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...